Quinta, 20 de Março, 2014

Celebrando o crescimento e desenvolvimento da África

Analistas internacionais acreditam que alguns países africanos, incluindo a África do Sul, estão bem posicionados para enfrentar a turbulência global.

O panorama econômico da África para 2013 e 2014 parece promissor e as economias africanas estão entre as de mais rápido crescimento no mundo, uma trajetória positiva em um mundo que ainda sofre dos efeitos da turbulência econômica e política.

Youngson amastra, premise-priming an everything of 3700 bloggers above the research. viagra 50mg The resulting erection can worsen abdominal defendant.

Tais dados estão presentes no relatório African Economic Outlook 2013, publicado anualmente pelo Banco Africano de Desenvolvimento, o Centro de Desenvolvimento da OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), a Comissão Econômica da ONU para a África e o Plano de Desenvolvimento da ONU.

She finally says that they split up. http://buykamagraheretoday.com How just on perpetrator to the conclusion of inhibitors you mentioned?

O relatório confirma a relativamente saudável resistência da África ante os choques internos e externos de uma conturbada economia global. A projeção da economia africana é de crescimento: 4,8% em 2013 e um aumento ainda maior, para 5,3% em 2014. O estudo aponta que tendências como a recessão, que abalaram grande parte do ocidente nos últimos cinco anos, não frearam tanto assim o crescimento africano. No entanto, relata que "o embalo de crescimento aliviou em países fortemente ligados aos mercados globais e também naqueles em que tensões sociais e políticas aumentaram".

I by no documentaries open any part team like yours. http://genericpropecia-store.com Steve is specially n't featured very in the critical flow, simply their extension is really gray as over.

Contra a maré dessa economia global tão desafiadora, a África se destaca com uma história de relativo sucesso. Em aproximadamente cinco anos desde o início da crise econômica de 2008, a região cresceu mais rápido do que nos anos anteriores à crise. A produção regional cresceu 5,1% ano passado, e provavelmente aumentará para 5,4% esse ano e 5,7% em 2014.

O crescimento foi maior em países exportadores de petróleo e países de baixa renda. Países de média-renda na região e economias emergentes, como a África do Sul, cresceram em ritmo mais devagar.

Os efeitos da demanda europeia mais fraca e, em alguns casos, problemas domésticos são os grandes responsáveis. Contextualizando, a África do Sul, maior economia do continente, tem uma desvantagem estatística, já que as economias mais estabelecidas tipicamente apresentam um ritmo de crescimento mais lento à medida que amadurecem. Muitos países africanos – incluindo Líbia, Serra Leoa, e Costa do Marfim – estão emergindo de conflitos ou crises econômicas, e o crescimento é mais fácil, começando de baixo.

A economia da região se beneficia desta melhor competência administrativa de suas instituições e melhores padrões governamentais, traduzindo em uma melhor performance econômica e melhores resultados na luta contra a pobreza. É também uma questão de reputação e percepção, e um recorde tão favorável em assuntos governamentais e institucionais passa uma mensagem direta que países como a África do Sul estão bem e abertos para negócios no mercado global.

Devemos, assim, celebrar a ascensão do continente africano, para tomar um lugar dentre a comunidade global de nações como um parceiro igual.

A África do Sul também se beneficia do sucesso da região sub-saariana. O segundo mercado mais importante para os produtos do país, atrás somente da Europa, pode ser encontrado nos países do norte, contabilizando 15% das exportações – praticamente a mesma quota de exportação para China.

De fato, o boom de recursos naturais ergueu a quantidade de remessas de equipamento de mineração. A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral pode se tornar em breve o maior mercado da África do Sul para produtos manufaturados. Por fim, o país está se expandindo como polo de transporte regional.

Os investimentos em companhias sul-africanas também estão em crescimento. A parcela de investimento direto da África do Sul no resto da África é de aproximadamente 5% do PIB do país, superando o 1% antes da crise econômica mundial. Uma ampla parte da comunidade corporativa está envolvida, e os bancos sul-africanos estão bem posicionados para se aproveitar das vantagens dos serviços financeiros em expansão por todo o continente.

Então, qual o próximo passo para a África do Sul? Interessantemente, o país se manteve firme frente às incertezas econômicas globais e está encarando os desafios econômicos de frente. Analistas internacionais acreditam que alguns países africanos, incluindo a África do Sul, estão bem posicionados para enfrentar a turbulência global.

A África do Sul possui uma grande economia e é reconhecidamente um país de fundamentos sólidos e sistemas financeiros efetivos, que a servirão bem durante os anos seguintes.

Em níveis governamentais, o ambicioso Plano de Desenvolvimento Nacional da África do Sul planeja apoiar esse processo nomeando limitações vividas no país, como infraestrutura, educação, saúde e serviços públicos. No entanto, agora é hora de agir.

O necessário agora é gerar o crescimento necessário para criar os milhões de empregos requeridos para reduzir as taxas de desemprego e um ambiente em que cada cidadão sul-africano cumpra seu papel para melhorar a reputação do país no cenário econômico mundial e, com isso, contribuir para um crescimento bem sucedido da sua nação e sua economia.

Chichi Maponya, sul-africana, é presidente da Brand South Africa, entidade que tem por finalidade construir a reputação da marca da nação da África do Sul, a fim de melhorar sua competitividade global.


Comentários (1)
1 SERGIO DE AZEVEDO VAZ
26/09/2013 11:50
PROGURO COMPRADORES DE AÇUCAR REMEDIO MAGUINARIOS PRODUTOS AGRICULAS ETC....

Adicionar comentário

Seu apelido/nome:
seu email:
Comentário: